Perfil microbiológico e sensibilidade antimicrobiana em recém-nascidos com sepse tardia por staphylococcus coagulase negativo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31011/reaid-2023-v.97-n.4-art.1969

Palavras-chave:

Recém-nascido, Sepse Neonatal, Unidades de Terapia Intensiva Neonatal

Resumo

As Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde são infecções causadas por fungos, bactérias e vírus adquiridos durante a internação hospitalar e, entre os recém-nascidos, os Staphylococcus coagulase negativa são os principais agentes patogênicos relacionados ao uso de cateter venoso central. Objetivou-se avaliar o perfil epidemiológico, clínico e laboratorial dos recém-nascidos com sepse tardia causada por Staphylococcus coagulase negativa, em unidade de terapia intensiva neonatal. Estudo transversal, a partir da análise de dados retrospectivos de 60 recém-nascidos com diagnóstico de infecção por Staphylococcus coagulase negativa associada ao cateter venoso central, após 48 horas de internação. Observou-se que a maioria dos pacientes era do sexo masculino (51,7%), com peso de nascimento menor que 1500g (53,2%), com idade gestacional menor que 32 semanas (52,5%), sendo 51,6% reanimado após o nascimento e com diagnóstico de prematuridade na internação (56,6%); recém-nascidos apresentaram dois a três acessos venosos centrais durante a internação (61,6%). Na análise das hemoculturas, o Staphylococcus epidermidis foi o mais prevalente (36,7%). No perfil de sensibilidade, a teicoplamina foi o antibiótico com maior sensibilidade (62,1%), seguido da vancomicina (50%). Em relação à resistência, observou-se a penicilina com 98,1% de resistência, seguida da oxacilina (91,4%). Além disso, deve-se alertar para prevalência de Staphylococcus coagulase negativa com elevada resistência aos antibióticos de largo uso em UTIN. Esses achados corroboram a importância de priorizar o pré-natal de qualidade e manter rigoroso controle no uso racional de antimicrobianos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

O’Grady NP, Alexander M, Burns LA, Dellinger EP, Garland J, Heard SO, et al. Guidelines for the prevention of intravascular catheter-related infections. Clin Infect Dis. 2011;52(9):e162–93.

Memar MY, Alizadeh N, Varshochi M, Kafil HS. Immunologic biomarkers for diagnostic of early-onset neonatal sepsis. J Matern Fetal Neonatal Med. 2019;32(1):143–53.

Shane AL, Sánchez PJ, Stoll BJ. Neonatal sepsis. Lancet. 2017;390(10104):1770–80.

Oliveira ALCB, Lopes BA, Costa GR, Costa AA, Moraes LMV de, Maia JM, et al. Características maternas e dos recém-nascidos admitidos em uma unidade de terapia intensiva. Rev Enferm Atual In Derme [Internet]. 2020 [citado 5 de outubro de 2023];93(31):020022. Disponível em: https://teste.revistaenfermagematual.com/index.php/revista/article/vi

Silveira RC, Procianoy RS. Uma revisão atual sobre sepse neonatal. Boletim Científico de Pediatria [Internet]. 2012 [citado 14 nov.2017];1(1):29-35. Disponível em: http://www.sprs.com.br/sprs2013/bancoimg/131210152124bcped_12_01_06.ppd.

Alves JB, Gabani FL, Ferrari RAP, Tacla MTGM, Linck Júnior A. Sepse Neonatal: mortalidade em município do sul do Brasil, 2000 A 2013. Rev Paul Pediatr. 2018;36(2):132–40.

Pereira MUL, Filho FL, Anunciação PS, Lamy ZC, Gonçalves LLMG, Madeira HGR. Óbitos neonatais no município de São Luís: causas básicas e fatores associados ao óbito neonatal precoce neonatal. Rev. Pesq. Saúde. 2017;18(1):18-23.

Migoto MT, Oliveira RP, Silva AMR, Freire MHS. Early neonatal mortality and risk factors: a case-control study in Paraná State. Rev Bras Enferm. 2018;71(5):2527–34.

Lourenço N, Fernandes M, Gomes C, Resende C. Morbidade neonatal dos recém-nascidos pré-termo tardios comparados aos de termo precoce. Sci med. 2017;27(1):1-13.

Bittencourt RM, Gaíva MAM. Mortalidade neonatal precoce relacionada a intervenções clínicas. Rev bras enferm. 2014;67(2):195–201.

Corrêa AP, Ambrózio CL, Reis R. Infecção do trato urinário em gestantes atendidas pelo sus na cidade de Bagé-RS. CONGREGA. 2018; (2):513-527.

Chaim SRP, Oliveira SMJV, Kimura AF. Pregnancy-induced hypertension and the neonatal outcome. Acta Paul Enferm. 2008;21(1):53–58.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Assistência da Saúde. Gestação de alto risco. Brasília: MS;2000.

Cunha MLRS, Lopes CAM, Rugolo LMSS, Chalita LVAS. Significância clínica de estafilococos coagulase-negativa isolados de recém-nascidos. J Pediatr. 2002;78(4):279–88.

Goudard MJF, Simões VMF, Batista RFL, Queiroz RCS, Alves MTSSB, Coimbra LC, et al. Inadequação do conteúdo da assistência pré-natal e fatores associados em uma coorte no nordeste brasileiro. Cien Saude Colet. 2016;21(4):1227–38.

Ho JJ. Late onset infection in very low birth weight infants in Malaysian Level 3 neonatal nurseries. Pediatr Infect Dis J. 2001;20(6):557–60.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde: intervenções comuns, icterícia e infecções. Brasília-DF: Ministério da Saúde; 2011. v. 2.

Silveira RC, Giacomini C, Procianoy RS. Sepse e choque séptico no período neonatal: atualização e revisão de conceitos. Rev Bras Ter Intensiva. 2010;22(3):280–290.

Dal-Bó K, Silva RM, Sakae TM. Infecção hospitalar em uma unidade de terapia intensiva neonatal do Sul do Brasil. Rev Bras Ter Intensiva. 2012;24(4):381–5.

Silva ARA, Simões MLCL, Werneck LS, Teixeira CH. Healthcare associated infections caused by coagulase-negative Staphylococciin a neonatal intensive care unit. Rev Bras Ter Intensiva. 2013;25(3):239–44.

Sousa NA, Coelho CGV, Mesquita CHS, Pires FGB, Brito ILP. Sepse neonatal–perfil microbiológico e sensibilidade antimicrobiana em um hospital no Nordeste do Brasil. Rev Bras Análise Clínicas [RBAC]. 2019;51(1):46-51.

Xu Z, Shah HN, Misra R, Chen J, Zhang W, Liu Y, et al. The prevalence, antibiotic resistance and mecA characterization of coagulase negative staphylococci recovered from non-healthcare settings in London, UK. Antimicrob Resist Infect Control. 2018;7(1):73.

Serafim A, Oliveira A, Xavier M, Xavier I. Perfil de sensibilidade e resistência de staphylococcus em um hospital público [trabalho de conclusão de curso]. Governador Valadares: Universidade Vale do Rio Doce – UNIVALE; 2019

Romanelli RMC, Anchieta LM, Mourão MVA, Campos FA, Loyola FC, Jesus LA, et al. Infecções relacionadas à assistência a saúde baseada em critérios internacionais, realizada em unidade neonatal de cuidados progressivos de referência de Belo Horizonte, MG. Rev Bras Epidemiol. 2013;16(1):77–86.

Publicado

11-10-2023

Como Citar

1.
Costa Moura M, Boaventura Cunha M, Muniz Bandeira Duarte J, Elinor Alves Gama M, da Graça Carvalhal Frazão Correia R, Nunes Barbosa Nadler R, Alves Soares F, Melo de Paula R. Perfil microbiológico e sensibilidade antimicrobiana em recém-nascidos com sepse tardia por staphylococcus coagulase negativo . Rev. Enferm. Atual In Derme [Internet]. 11º de outubro de 2023 [citado 23º de junho de 2024];97(4):e023193. Disponível em: http://revistaenfermagematual.com.br/index.php/revista/article/view/1969

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL