Tratamento do Pé diabético com creme reestruturante

Treatment of diabetic foot with restructuring cream

  • Kátia Oliveira Simões Revista Enfermagem Atual
  • Margrit Gabriela Wilke IBMEC São Paulo
  • Valéria Choma Zagulski Faculdade Anhanguera de São José – SC
Palavras-chave: Pé diabético, Tratamento

Resumo

Estudos de 2014, apontam 9,2 milhões de adultos com diabetes no Brasil, sendo destes 829.724 pacientes portadores de pé neuro-isquêmico, com 43.726 com ulceras no pé1.  Estima-se que no Brasil existam 12,5 milhões de pessoas com o diagnóstico de diabetes2. Dados da Sociedade Brasileira de Diabetes-SBD, apontaram em 2017, 4 milhões de mortes por diabetes no mundo, destes 209.717 adultos com idades entre 20-79 anos que morreram como resultado do diabetes. Metade dessas mortes foram no Brasil, sendo 44,9% dessas mortes aconteceram em pessoas com menos de 60 anos de idade2. 2030, o Diabete Mellitus-DM pode saltar de nona para sétima causa mais importante de morte em todo o mundo4.  Estima-se que um entre cada quatro pessoas com diabetes possa desenvolver problemas nos pés ao longo da vida1,3. O pé diabético engloba um conjunto de síndromes nas quais afecções neuropáticas, isquêmicas e infecciosas podem causar danos teciduais e, consequentemente, ulcerações e amputações. Segundo posicionamento Oficial da Sociedade Brasileira de Diabetes nº 05/2019, baseada na Associação Americana de Diabetes, a polineuropatia diabética (PND), é a complicação que atinge 50% dos pacientes, sendo a causa mais importante para as úlceras nos pés dos pacientes diabéticos, que precedem 85% das amputações.

Publicado
2020-04-06
Como Citar
SIMÕES, K.; WILKE, M. G.; ZAGULSKI, V. C. Tratamento do Pé diabético com creme reestruturante. Revista Enfermagem Atual In Derme, v. 91, n. 29, 6 abr. 2020.