Internação e mortalidade hospitalar de vítimas de queimaduras no Brasil

  • William Campo Meschial Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Dirleia Florentino dos Santos
  • Aroldo Gavioli
  • Muriel Fernanda de Lima
  • Vivian Carla de Castro
  • Magda Lúcia Félix de Oliveira
Palavras-chave: Burns; Hospitalization; Hospital Mortality; Public Health; External Causes; Epidemiology.

Resumo

Objetivo: analisar a evolução das internações e da taxa de mortalidade hospitalar de vítimas de queimaduras no Brasil, no período 2007-2016. Método: estudo observacional retrospectivo, com dados do Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde. Empregou-se o teste qui-quadrado, sendo estimado o risco relativo de óbito. Resultados: Houve maior risco de óbito por queimaduras decorrentes da exposição à fumaça, ao fogo e às chamas (RR 2,3; IC95% 2,25; 2,41), na região Sudeste (RR 1,4; IC95% 1,36;1,44) e em idosos com 80 anos e mais (RR 4,9; IC95% 4,74;5,08). Predominaram as internações e mortalidade hospitalar decorrentes da exposição à corrente elétrica, à radiação e às temperaturas e pressões extremas do ambiente (84,1% e 78,8%), nas regiões sul e sudeste (50,4%), na faixa-etária de 20 a 59 anos (58,2%) e no sexo masculino (68,9%). Conclusões: houve aumento das internações e taxa de mortalidade hospitalar por queimaduras com o avançar dos anos, sendo observadas importantes diferenças sociodemográficas e geográficas, revelando importantes particularidades dos acidentes por queimaduras. Destaca-se a importância de conhecer essa casuística de maneira mais aprofundada, uma vez que tal conhecimento é primordial para discussão de políticas de saúde de cunho preventivo e assistencial.

Publicado
2020-09-04
Como Citar
MESCHIAL, W.; SANTOS, D.; GAVIOLI, A.; LIMA, M.; CASTRO, V.; OLIVEIRA, M. Internação e mortalidade hospitalar de vítimas de queimaduras no Brasil. Revista Enfermagem Atual In Derme, v. 93, n. 31, p. e-020036, 4 set. 2020.
Seção
ARTIGO ORIGINAL